Governador Carlos Moisés próximo do Podemos?

Três dos quatro prefeitos, além do presidente estadual do Podemos, estiveram na Casa D’Agronômica em conversa com o governador Carlos Moisés, na noite desta terça-feira (16).

A sigla que vem se estruturando em Santa Catarina pode ser o paradeiro político do governador. O encontro foi construído pelo presidente do partido em Santa Catarina, o ex-prefeito de Palhoça, Camilo Martins, junto do deputado federal Rodrigo Coelho e do deputado estadual Nazareno Martins.

Por mais que o encontro tenha tratado a respeito de auxílio do governo do Estado para os municípios administrados pelo Podemos, nos bastidores teve cunho político.

Obviamente, a conversa pode mesmo ter ficado somente no campo administrativo. Porém, envolve sempre as questões políticas.

O Podemos pode lançar candidatura ao governo catarinense, neste caso, para dar palanque à eventual candidatura do ex-juiz Sergio Moro, filiado ao partido no dia 10.

Créditos: Arquivo Pessoal/ Ronda Política/DI Regional

Renúncia de cargo de vereador para quem assumir Secretaria

Sempre polêmico, o vereador de Lages, Jair Junior (Podemos), acaba de apresentar um projeto de alteração à Lei Orgânica Municipal, obrigando que o Vereador ao ocupar cargo de Secretário Municipal, ou Estadual, renuncie ao mandato.

Segundo justifica, em época de campanha, o candidato não pede voto para ser Secretário, mas para ser escolhido pelo povo para cumprir o papel do Vereador.

O assunto promete muita discussão. Por hora, o projeto está sendo analisado pelo jurídico da Câmara de Vereadores.

Foto: Ascom Câmara de Vereadores

Política no campo das hipóteses

Em Lages, atualmente, o que mais de especula no campo político são os destinos de alguns vereadores, que devem trocar de partido, e quem possivelmente irá concorrer à cadeira de prefeito.

Obviamente, se formos apontar todos os pretendentes ao cargo, a listagem seria grande, e Lages teria, pelo menos, de 8 a 10 nomes, incluindo o do atual prefeito, Antonio Ceron, à reeleição.

Quanto à troca de partidos, a informação já divulgada, é de que o vereador Jair Junior (PSD), já tem destino definido, irá para o Podemos.

Lucas Neves (Progressistas), adiantou que não fica mais na sigla, porém, o seu destino é incerto. Pelo menos, não se tem nada oficial.

Recentemente, em entrevista ao meu programa Tema Livre, da Nova Era TV, especulei Lucas sobre seu destino partidário. Desconversou. No entanto, tem se reunido com alguns partidos, e entendo que o mais identificado com ele é o PSL, do governador Carlos Moisés.

E assim se dão as falações a respeito do que pode acontecer na política lageana neste futuro próximo. Assunto farto para ser explorado no campo das hipóteses.

Podemos quer mais mulheres no quadro de filiações

A política é sempre feita de meandres, mas que se estabelecem a partir de ações, e que muitas vezes se antecipam aos pleitos. O objetivo é se organizar da melhor maneira possível, dentro de uma realidade ideológica e conceptiva, na tentativa de obter o equilíbrio e a força necessária para enfrentar os desafios.

Aliás, o desafio seguinte são as eleições municipais. E, desde já, pseudos candidatos já tentam a identificação na tentativa de se tornarem reais.

Dentro dessa organização prévia, há partidos que buscam a valorização e o incentivo para ampliar o número de mulheres na política partidária.

No Podemos

É o que está fazendo a Executiva Municipal de Lages, do Podemos. A integrante ativa, Stela Maris Salvador é quem está por de trás do projeto “Renove Com 19”, no qual, busca incentivar novas filiações, principalmente, de mulheres que desejam mudar a sociedade através da política.

O trabalho é feito em conjunto com o primeiro vice-presidente do partido, Valdemir Bachmann, o popular Gotti dos Grampos. Ambos têm visitado mulheres que são líderes civis, eclesiásticas e políticas. A ideia é convencê-las da importância de ingressar no Partido.

Entre as filiações alcançadas, a da líder religiosa pastora Suzana da Silva moradora do Bairro Bela Vista e definiu ser pré-candidata a vereadora.

Além dela, a líder comunitária e micro empresaria do ramo do artesanato, Keli Krombauer, moradora do Bairro Caroba.

Na verdade, o Partido está certo. As mulheres precisam realmente ter maior participação. O Podemos está trabalhando antecipado, exatamente para não deixar para as vésperas das eleições, como normalmente acontece, de parte da maioria dos partidos. O êxito, é outra questão.

(Informações e fotos: Joel Micuim)

Podemos segue na coligação

Incomodados pela decisão de Gelson Merisio (PSD) declarar apoio ao candidato à Presidência Jair Bolsonaro, ainda no primeiro turno, dirigentes do Podemos apresentaram pedido para deixar a coligação, porém, foi negado junto ao TRE. A ideia era deixar a majoritária e se manter na proporcional. Seja como for, o jeito foi seguir na coligação “Aqui é Trabalho”.

Coruja não aceita apoiar o PSD

No que depender do deputado estadual Natalino Lazare, o Podemos estará fechado com o PSD. Mas, o deputado Fernando Coruja não concorda. Ele que é pré-candidato ao Senado, justamente para rivalizar com Raimundo Colombo, (PSD), também pré-candidato ao Senado.

Caso se confirme a aliança do Podemos em apoio a Gelson Merisio, a porta se fecha para Curuja que deverá se recolher, e não mais disputar o processo eletivo deste ano.

Por outro lado, o deputado lageano aguarda uma posição nacional, principalmente do presidenciável Álvaro Dias.

Seja como for, Coruja está em saia justa diante desta possibilidade de aliança. Caso se oficialize poderá repensar a vida política, em se candidatando à reeleição a estadual; quem sabe a federal, ou simplesmente se recolher e tocar a vida.

Deputado Fernando Coruja justifica a mudança de partido

Conversei com o deputado estadual Fernando Coruja, logo cedo, nesta sexta-feira (6). Confirmou que já está no Podemos. Justificou a troca de partido pela falta de apoio na busca de reeleição a deputado estadual. Nenhum vereador do MDB, por exemplo, iria apoiá-lo devido a comprometimento com outros candidatos. Portanto, trocou de partido, e vai em busca de um voo mais alto, como a candidatura ao Senado, uma vez que, no MDB, estaria sem espaço.

Disse que não vai bater de frente com o a candidatura de Raimundo Colombo (PSD). São duas as vagas ao Senado. Quem não quiser votar em Colombo, vota nele. Simples assim. Bateria de frente caso a eleição tivesse apenas uma vaga ao Senado. Mas, afirmou que ainda não está 100% definido. Vai esperar mais um pouco para oficializar a condição de candidato a senador. É apenas, por hora, uma ideia, um projeto.

Por outro lado, confirmou que sugestionou a possibilidade de retornar ao PPS, mas, em conversa com a deputada federal Carmen Zanotto, concluiu que seria melhor investir em outra sigla. Por fim, manifestou total apoio à reeleição de Carmen, elogiando o excelente trabalho dela desenvolvido como deputada federal, com grandes benefícios à Lages e à Região.