Debate entre candidatos ao Governo de SC na TV

O debate realizado pela  NSC TV, entre os candidatos ao Governo do Estado, na noite desta terça-feira (27), começou quente, e com ataques. Abriu com candidato perguntando a candidato. Primeiro a sofrer foi Carlos Moisés (Republicanos), ao ser indagado por Jorge Boeira (PDT) sobre a compra fantasma dos 200 respiradores. Depois, Ralf Zimmer (PROS), abriu fogo contra Gean Loureiro (UB), e continuou assim em praticamente todas as vezes em que deteve a palavra.

Assuntos, aliás, que vieram à tona em praticamente em todos os demais debates já realizados. Obviamente, proposições interessantes também foram apresentadas de forma mais diplomática pelos candidatos, especialmente quando falaram sobre educação ou infraestrutura. Brigas e agressões realmente não ajudam em nada.

Décio Lima, do PT, chegou a se intitular candidato do amor, e fez mais propaganda de Lula do que para ele, chegando a dizer que candidato a Presidente enfrentou um calvário, foi injustiçado, e agora, inocentado.

Bem, a partir do debate, posso afirmar que os eleitores que assistiram devem ter tirado as dúvidas, e já decidiram sobre quem vão votar para o Governo.

 Foto: Tiago Ghizoni/NSC

Pesquisa dá novo cenário para o Governo em Santa Catarina

Tenho contestado a formatação de algumas pesquisas ao governo e senado, em Santa Catarina. Algumas delas apresentam candidatos isolados estratosfericamente acima; outras com números bem abaixo. Confundem o eleitor.

Mauricio Vieira/Secom/Waldemir Barreto/Ag. Senado

Dentro de uma visão mais real, o levantamento do Instituto de Pesquisas Cananéia – IpeC (ex-Ibope) divulgado nesta terça-feira, 20, em Santa Catarina, pela NSC mostra Jorginho Mello (PL) e Carlos Moisés (Republicanos) empatados com 20%.

Pouco atrás, e com boas chances de segundo turno, estão Esperidião Amin (Progressistas) com 15% e Gean Loureiro (UB), com 14%. Décio Lima (PT), cresceu um pouco em relação à pesquisa anterior, e soma 10%.

Como se vê, esta talvez, pode estar mais próxima da realidade. Porém, a desfiguração das mais variadas pesquisas, me deixa um tanto descrente. Enfim, o cenário está posto.

A pesquisa ouviu 800 pessoas entre os dias 17 e 19 de setembro. A margem de erro é de três pontos percentuais para mais ou para menos, considerando um nível de confiança de 95%. Está registrada no Tribunal Regional Eleitoral do Santa Catarina sob o número SC‐07903/2022 e no Tribunal Superior Eleitoral sob o número BR‐07730/2022.

 Colombo segue liderando para o Senado

Seguindo os mesmos condicionantes do registro e margem de erro, apontados acima, os índices ao Senado seguem dando vantagem ao ex-governador Raimundo Colombo (PSD), com 26% das intenções de voto.

Logo abaixo, com 13%, aparece Dário Berger (PSB), e em terceiro, Jorge Seif (PL), com 9%. Este ano, os eleitores do estado elegem apenas um senador.

Pela pesquisa, a visão demonstra que o eleitor está optando mais pela experiência dos candidatos, e pelo histórico na política dentro do Estado. Isto também é fato. E é algo que realmente pode fazer a diferença no parlamento, diante do conturbado cenário político nacional.

Esperidião Amin se compromete com empresários serranos

O senador e candidato ao governo pelo Progressistas, Esperidião Amin, acompanhado do vice Dalírio Beber (PSDB) e também pelo candidato ao senado Kennedy Nunes (PTB) esteve, na noite desta última terça-feira, 13, participando de uma sabatina organizada pela Associação Empresarial de Lages (ACIL).

Democraticamente, a entidade disponibiliza o espaço para que os candidatos interessados possam apresentar suas propostas e ouvir o que a classe empresarial tem a questionar.

Aliás, uma cartilha única contendo os principais pleitos levantados pelas demais associações empresariais da Serra Catarinense é entregue no final do encontro. Assim, sem atuar de forma partidária, mas também se utilizando da política, as entidades buscam dentro da democracia dar ouvidos ao contraditório e a pluralidades das opiniões.

Entre as principais reivindicações na pauta, a atenção à infraestrutura, em especial à BR 282, com a construção de terceiras pistas; anel viário em São Joaquim; duplicação em pontos da BR 116; asfaltamento da rodovia SC 284 entre Palmeira e Correia Pinto; continuidade do asfaltamento da Coxilha Rica, ligando a São Joaquim; implantação de uma unidade da Central de Abastecimento do Estado de SC (Ceasa), entre outras questões pontuais. Amin se comprometeu, se eleito, atender às reivindicações.

Foto: Paulo Marques

Esperidião Amin em Lages

O candidato Esperidião Amin (Progressistas) aporta em Lages nesta terça-feira (13). Estará à noite, às 19 horas, na Associação Empresarial de Lages (ACIL). O encontro deverá reunir os apoiadores para definir a ampliação das estratégias da campanha na região nesta reta final.

Por Lages, Amin tem tido a fidelidade de muitos deles, em praticamente toda a vida pública. Aliás, na Serra, ele sempre foi muito bem recebido. Por esta razão, vem trazer a mensagem como candidato, e pedir que o apoio se fortaleça neste momento crucial da campanha.

Katsumi no corpo a corpo

Em animada campanha, a candidata a deputada estadual Katsumi Yamaguchi (Progressistas) tem apresentado  suas propostas ao povo lageano, no corpo a corpo.

 “A receptividade do nosso povo me enche de orgulho e fortalece minha jornada”, comenta Katsumi.

A candidata lembra que Amin vai estar em Lages na terça-feira, às19h, na Acil.

Foto: Assessoria de Imprensa

O que vi e ouvi no primeiro dia de Propaganda Eleitoral

Propaganda eleitoral ajuda, mas não é tudo para os candidatos. Foi-se o tempo em que os candidatos apostavam tudo nas propagandas eleitorais gratuitas veiculadas no rádio e na televisão. Obviamente ajudam. Considero oportunas, inclusive. Há quem prefira ver e avaliar as propostas e depois decidir o rumo da escolha. Isso vale especialmente para os candidatos ao Governo e ao Senado. Na faixa do parlamento, o eleitor costuma ter uma definição antecipada, pois, os candidatos circulam mais e até andam próximos, aparentemente. Na televisão, no trato visual e contextualizado, o eleitor se situa melhor. Essa observação se reserva mais diretamente a quem ainda não se definiu. Concluo, esta curta narrativa, reafirmando a importância dos programas no julgamento dos mais indecisos.

iStock/Getty Images

Programas mesclados, diferentes

Ao conferir o primeiro programa dos catarinenses, ontem, confesso que gostei do formato. Deixou de ser editado em quadros completos de cada coligação. Os quadros iam e voltavam, com alternância das coligações, o que deixou mais leve todo o tempo disponibilizado às produções. Por sua vez, os marqueteiros também capricharam. Todos os candidatos com bom visual, e alguns, com mais tempo, aproveitaram para deixar no ar um tom reflexivo, visto, por exemplo, no programa de Décio Lima (PT).

Ao Senado

Tive o cuidado de observar o que apresentaram os principais candidatos ao Senado.

Dário Berger (PSB) – Dário Berger, está no final de oito anos no cargo de senador. Para tentar a permanência e ser reeleito, relembrou o passado como ex-prefeito de São José e Florianópolis, e a soma de realizações na época. Fechou com uma imagem ao lado do candidato a presidente, Lula;

Celso Maldaner (MDB) – Associou a imagem do falecido irmão, Casildo, nas lutas políticas que ele teve ao lado de líderes como Ulisses Guimarães. Comovente até a mensagem de Casildo, em vídeo, deixada a Celso, pedindo a ele a continuidade da luta política;

Jorge Seif (PL) – Aproveitou o tempo sendo apresentado pelo próprio presidente e candidato à reeleição. Foi a mensagem que deixou. Provou que é o nome preferencial de Jair Bolsonaro, em Santa Catarina;

Raimundo Colombo (PSD) – Foi quem teve a maior produção, com uma narrativa e imagens do que acontece no Senado. Um ambiente que ele conhece, pois, já esteve lá uma vez. Quer voltar carregando a vontade de defender os interesses dos catarinenses, ancorado pela história política e a experiência, também de governabilidade;

Kennedy Nunes (PTB) – Começou, como bem disse, no papo reto. Quer proximidade com o eleitor. Pediu para que enviem perguntas, para que ele possa ir se apresentando. Aposta na coragem prometendo, caso eleito, restabelecer a ordem. Quem acompanha o que acontece no Brasil deve ter entendido o recado do candidato;

Hilda Deola (PDT) – Apresentou-se bem. Ressaltou ser ela a única mulher a disputar a vaga ao Senado. Não teve tempo para dizer mais nada.

 Candidatos a deputado estadual

A apresentação dos candidatos a deputado ou deputada estadual é a mais simplória. Com pouquíssimo tempo, mal conseguem se apresentar, e falar rapidamente a proposição como candidato. Alguns, com boa expressão, outros nem tanto. Há também gente experiente na política, como é caso de alguns que foram prefeitos. No final, o pedido de voto ao candidato a Governador. Faz parte da regra.

Candidatos ao Governo

Jorginho Mello (PL) foi o primeiro deles. De cara chamou a responsabilidade para o campo da saúde, prometendo zerar a fila de espera de exames e cirurgias eletivas. Também tirou proveito de uma fala de Bolsonaro ao lado dele, declarando apoio.

Gean Loureiro (UB), preferiu estimular a força da família, e dar ênfase à formação. Justificou a razão de ter a voz rouca. Foi devido a um acidente que quase lhe tirou a voz. Lembrou de outro, que quase lhe tirou a vida. Politicamente lembrou a trajetória de vereador, deputado estadual e federal, e por duas vezes prefeito de Florianópolis.

Jorge Boeira (PDT) – Filosofou na primeira aparição retratando o estado como sendo a “Mãe Catarina”. Lembrou a capacidade que possui em gestão pública. Teve pouco tempo. E, menos tempo ainda teve Odair Tramontin (Novo), que apenas afirmou que não vai utilizar recursos do Fundão para custear a campanha.

Carlos Moisés (Republicanos) com um tempo maior, conseguiu se apresentar, falar de propósitos, coragem e honestidade. Quer continuar sendo governador para seguir no jeito de bem governar. Citou ações como a vernda de aviões para pagar dívidas do Estado; investimentos em saúde, salário de professores. Toda narrativa teve cenas dele no convívio familiar.

O candidato do PT, Décio Lima, abriu o programa com a aparição do candidato a presidente, Lula, intercedendo por ele, sugerindo que se eleito vai construir Santa Catarina com alegria. Por sua vez, o petista ressaltou que com a ajuda do seu presidente vai oportunizar mais igualdade. Foi, se não me engano, o único que abriu espaço para a vice, Bia Vargas poder suscitar algumas palavras.

Esperidião Amin (PP) dispensou as grandes produções. Disse que fará seus programas olho no olho. Quer mostrar que sabe fazer com simplicidade. Mostrou uma de suas obras no passado de governo, a Serra Dona Francisca. Disse que está abandonada, e quer devolver aos catarinenses como ela era quando feita. Falou em apontar os problemas e encontrar as soluções.

O último na série inicial a falar foi Ralf Zimmer (Pros). Teve tempo suficiente apenas para dizer que pretende construir ferrovias de Leste a Oeste no Estado.

Resumindo

Preferi contextualizar basicamente sobre, especialmente os candidatos ao Senado e ao Governo do Estado, para dar a entender a você eleitor, a importância de estar atento às propostas de cada um dos candidatos. Assim, a clareza diante das exposições poderá servir de endereçamento ao nome que realmente poderá ser o melhor representante. Não vou aqui, fazer nenhuma analogia sobre quem se saiu melhor ou pior. Esta primeira aparição dos candidatos foi apenas um cartão de visita. O caldo grosso dos programas eleitorais ainda está por vir.

Gean Loureiro não vai poder usar a imagem de Bolsonaro

Em nota, o Partido Liberal de Santa Catarina informa que a juíza Ana Cristina da Rosa Grasso determinou nesta sexta-feira (19/8) a proibição de se distribuir, por qualquer meio, propagandas eleitorais que tenham como escopo a imagem do Presidente da República Jair Bolsonaro, veiculadas pela Coligação ‘Bora Trabalhar’.

Jorginho Mello quer exclusividade em SC no uso da imagem do Presidente. Foto: Portal Making off

Segundo a magistrada, a campanha tenta confundir o eleitorado estadual através da inserção da imagem do Presidente Jair Bolsonaro em material publicitário protagonizado por candidatos que não possuem qualquer vínculo partidário com o mandatário.

“Com efeito, a vinculação da imagem do atual presidente e candidato à reeleição Jair Bolsonaro a candidatos alheios a sua coligação produz na coletividade a sensação de afinidade política que, em verdade, não existe”.

Tiro no pé

O candidato ao governo de SC, Jorginho Mello (PL), erra, ao meu ver, no momento em que se utiliza da Justiça para coibir o uso da imagem e apoiar o candidato à reeleição à Presidência da República, Jair Bolsonaro. 

O eleitor do Presidente não quer saber com quem ele está, pois, já tem nele a escolha. Portanto, não vai associar exclusividade a um ou outro candidato na hora do voto.

Penso que Jorginho, com essa atitude, respaldada pelo Partido Liberal, dá um tiro no próprio pé. Uma medida antipática, e que foge até mesmo da ética política. Mostrou ter uma necessidade única na associação do Presidente com a sua campanha.

Vale lembrar, de que o candidato ao Governo, Esperidião Amin (PP), também hipotecou apoio a Jair Bolsonaro. Jorginho pecou. Resta saber qual será a atitude e o pensamento dos eleitores, na hora de transferir o voto.

No caso de eleição de Amin ou de Jorginho ao Governo

Quem assume no lugar deles?

Como se sabe três senadores catarinenses estão envolvidos no processo eleitoral de 2022. Dois deles, têm ainda pela frente mais quatro anos de mandato, a contar de 2023: Esperidião Amin (PP) e Jorginho Mello (PL). O terceiro, Dário Berger, finda o atual mandato, em 31 de dezembro de 2022, e agora tenta a reeleição, depois de frustrada a tentativa de ser candidato ao Governo, pelo Partido Socialista Brasileiro (PSB).

Senador trocou o MDB pelo PSB – Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado

Aliás, Dário somente deixou o MDB, por falta de espaço e porque visualizava a oportunidade de ser eleito o governante de Santa Catarina. Dá para imaginar o tamanho da frustração. Como se sabe, a política é a velha arte “de engolir sapos”.

No tocante ao Esperidião, caso seja eleito governador, quem herda a vaga é o primeiro suplente Geraldo Althoff (PSD). A segunda suplente é Denise dos Santos, também do PSD. PP e PSD estiveram juntos inúmeras vezes. Desta vez, distantes.

Suplente de Jorginho Mello

Comento à parte sobre a suplência de Jorginho Mello (PL), porque, neste caso, merece mais reflexão. A primeira suplência é nada mais nada menos do que da viúva de Luiz Henrique, a dona Ivete Silveira (MDB). É aí que um “fantasma” assombra a ala apoiadora de Carlos Moisés. Jorginho Mello, em 2018, era aliado do MDB, pelo então Partido Republicano (PR). E, foi com a força da coligação que se elegeu senador.

Jorginho Mello poderá deixar a vaga no Senado para Ivete Silveira – Foto: divulgação

Sendo assim, em caso de uma eleição de Jorginho Mello, ela assume os últimos quatro anos no Senado. Beto Martins (PL), de Imbituba, é o segundo suplente. Não precisa ter muita imaginação para perceber que uma corrente fiel à dona Ivete, a quer entre os senadores em 2023, e que torce pela eleição do aliado no pleito anterior. E, se Celso Maldaner também se eleger, o MDB terá dois nomes no Senado.

Por fim, entendo que tanto Esperidião Amin, quanto Jorginho Mello, têm condições reais de sucesso em outubro.