Presidência da Alesc: em busca de um nome de consenso

O assunto é repetitivo. Porém, pertinente. A eleição da Mesa Diretora e do presidente segue sem definição, mesmo diante da importância política que a situação se reveste. É por esta razão que o tema requer análise constante.

No dia 1º de fevereiro, os deputados serão empossados para um novo período legislativo, e neste mesmo dia, são obrigados a compor a Mesa Diretora. O cargo de presidente é bastante cobiçado. T

anto, que mexe com os interesses do próprio governo, que já adiantou apoio a José Milton Scheffer (PP). De outro lado, Mauro De Nadal (MDB), costura o suporte das demais bancadas para voltar ocupar a maior cadeira da Alesc.

Há quem sustente a necessidade de um nome de consenso; de alguém que possa aglutinar os interesses da Casa e do próprio governador. Diante dessa premissa, os 11 deputados do Partido Liberal e o governador Jorginho Mello se reúnem nesta quarta-feira (24), para discutir a questão.

Deputado Julio Garcia / Foto: Bruno Collaço / Agência Alesc

Surge a possibilidade de um terceiro nome, o do deputado Júlio Garcia (PSD), que pode quebrar a indefinição. Julio não tem desgaste interno, e conta com ótimo trânsito. Quem sabe seja a saída para a unificação interna e possa assim colocar um ponto final num desgaste que vem se acentuando nos bastidores da política. Eis uma possibilidade, apenas.

Ivan Naatz defende nome de consenso para presidir a Alesc

Em férias e longe do Brasil, o deputado Ivan Naatz (PL), líder da bancada do Partido Liberal na Assembleia Legislativa, se manifestou a respeito das conversas em torno da disputa da presidência e da mesa diretora do parlamento catarinense.

Foto: Deputado Ivan Naatz, líder da bancada do PL na Alesc. (Divulgação).

Naatz defende que seja outro nome, que tenha consenso, que aglutine, que agrade a maioria, caso os deputados José Milton Scheffer (PP) e Mauro De Nadal (MDB) não conseguirem maioria prévia. Tem lógica. O deputado afirma que tem mantido contato com o governador Jorginho Mello (PL), dizendo ser a melhor alternativa para a Casa. A escolha do presidente acontece no dia 1º de fevereiro.

Por outro lado, seguem as conversações para o complemento do secretariado do novo governo, com a manutenção do foco da governabilidade, e por isso, a necessidade, talvez, do consenso na Alesc. Zé Milton e De Nadal precisam da maioria mínima de 21 votos dos 40 deputados. A disputa entre os dois se acirrou quando a bancada do PL sinalizou apoio ao progressista.