Cinco municípios serranos na lista de recursos da FCC

A Fundação Catarinense de Cultura (FCC) divulgou a primeira lista de municípios que serão contemplados com até R$ 300 mil para implementação de Centros de Desenvolvimento Cultural (CDCs).

Os recursos oferecidos deverão ser utilizados na compra de equipamentos de som, luz, mobiliário, gestão e tratamento acústico. Nesta primeira relação, constam 22 municípios. O programa segue em execução e outras cidades devem ser beneficiadas.

Para viabilizar esses centros, foram selecionados municípios com baixo Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) em diferentes regiões de Santa Catarina. A contrapartida das prefeituras, neste projeto, é a disponibilização dos espaços físicos que receberão os centros culturais.

Os Centros fazem parte do pacote SC Mais Cultura, anunciado pelo Governo do Estado em 2021, e têm o objetivo de descentralizar ações do setor.

Os municípios serranos contemplados são Campo Belo do Sul, Bocaina do Sul, Cerro Negro, Painel e São José do Cerrito.

Sem comodismo. Voos da Azul não devem ser únicos na Serra!

Todos ainda estão comemorando a retomada dos voos comerciais através da empresa Azul Linhas Aéreas, ligando a Região com São Paulo, a partir do Aeroporto Regional da Serra Catarinense, em Correia Pinto. E é preciso enaltecer.

Voos da Azul devem ser apenas o início de uma nova composição nos itinerários, por outras companhias. Foto: Paulo Chagas

Alguém até comentou de que pode vir a concorrer com o aeroporto de Navegantes, na Mesorregião, do Vale do Itajaí. Claro, pode sim. Esse é um olhar futurístico e positivo. No entanto, as ações devem ter continuidade. Não quero crer que achem que tudo esteja agora resolvido, com o voo isolado da Azul.

Penso que novas articulações já devam estar sendo feitas para outras interligações aéreas, como ao Paraná, Rio Grande do Sul, e ou até mesmo linhas menores favorecendo o transporte entre municípios de Santa Catarina. Algo que já vinha sido pensado.

Mas, caso nada ainda esteja sendo feito neste sentido, sem problemas. Hora de começar. A responsabilidade recai aos gestores municipais de toda a Amures, e das entidades empresariais, sem falar na classe política estadual e federal.

De minha parte, o que precisar, ajudo na divulgação.

Pouca chuva e previsão de estiagem segue em SC

Em janeiro, a chuva ficou abaixo da média climatológica em grande parte de Santa Catarina e, com isso, as previsões estendidas mostram que a estiagem hidrológica tende a intensificar seus impactos e consequências nos primeiros meses do ano de 2022.

Essa previsão está no Boletim Hidrometeorológico Integrado n°34, que também destaca a análise das chuvas no mês de janeiro e os impactos do abastecimento urbano no estado.

Chuva abaixo da média

Entre fevereiro e abril de 2022, a previsão é de que a chuva fique abaixo da média. No Litoral Norte, Vale do Itajaí, Planalto Norte e parte da Grande Florianópolis, a previsão é de mais volume devido à maior disponibilidade de umidade e influência da circulação marítima, porém, ainda abaixo do esperado. Já no Oeste, o destaque é a continuidade da chuva com menores volumes.

Abastecimento Urbano

Sobre a situação do abastecimento urbano, dentre os 295 municípios de Santa Catarina, 267 atualizaram a situação nas devidas agências reguladoras. Destes, 168 estão em estado de normalidade, 70 em estado de atenção, 14 em estado de alerta e 15 em estado crítico frente a estiagem.

Portanto, o abastecimento urbano em grande parte dos municípios catarinenses deve continuar em situação de monitoramento constante para gestão da água.

Previsão

As chuvas irregulares configuram uma piora das condições de estiagem, com um aumento no número de municípios em condições críticas, de alerta e de atenção em relação ao abastecimento de água nos municípios.

Fotos: Antonio Carlos Mafalda/Especial/Secom

Lages entre as 20 cidades que mais geraram empregos em 2021

O Governo do Estado comemorou a informação de que Santa Catarina registrou em 2021 a maior geração de empregos da sua história.

Foram criadas quase 168 mil vagas com carteira assinada no ano que passou, segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). Na divisão por regiões catarinenses, todas tiveram saldo positivo.

Lages está entre as 20 cidades que mais geraram empregos. Há representantes das mais variadas regiões.

Florianópolis lidera com 13.004. Em seguida Joinville com 12.787 e São José com 11.577. Lages é a 17ª cidade a ter gerado mais emprego em 2021: 1.939.

Foto: Ricardo Wolffenbüttel/Secom

Goiabeiras: uma ponte que os governos não queriam

Foi este o posicionamento do assessor do Governo de SC, na Serra, Lucas Neves, ao ser questionado por mim durante entrevista ao Tema Livre, a respeito do projeto da Ponte das Goiabeiras, no Rio Pelotas, na divisa de Santa Catarina e Rio Grande do Sul, mais precisamente, na Rota Caminhos da Neve.

Situação da ponte após cada chuva forte. (Foto: Russo)

A referência do não querer foi dirigida aos dois governos, o de Santa Catarina e ao do Rio Grande do Sul. Isso no passado recente.

Atualmente

O governador Carlos Moisés mandou fazer o projeto da ponte. A informação é de que está pronto, feito pela Prefeitura de São Joaquim, através de uma empresa da própria cidade, e finalizado em setembro de 2021. E, desde então, vem passando por adequações dentro do Governo para que se consiga elaborar o convênio.

As informações de Lucas estão no Tema Livre atual. Pode ser visto aqui no Blog (Foto: Alair Sell)

Lucas afirmou que esteve recentemente conversando com a chefia de gabinete do Governador, para ver o que ainda está faltando. Apurou que há apenas alguns detalhes jurídicos, para assim que superados, o convênio seja assinado.

Recursos

Os recursos giram em torno de R$ 12 milhões, já assegurados. Vale dizer que este é um projeto definitivo para a ponte, e sem nenhum centavo do governo do Rio Grande do Sul.

Por fim, Lucas disse que assim que forem vencidas estas questões de ordem burocrática entra na fase de execução.

Prefeito Giovani Nunes terá a incumbência de executar a obra da Ponte das Goiabeiras (Foto: Ascom SJ)

Na semana que vem estará em São Joaquim para uma audiência com o prefeito Giovani Nunes para tratar exatamente dessa questão. Pois, o Governo de SC tem pressa. A ponte já era para estar sendo construída, e o processo está atrasado em razão dos percalços da burocracia.

A ideia é repassar os recursos à Prefeitura de São Joaquim para que ela seja a executora desta obra. Vencer os trâmites legais e burocráticos é o que está se buscando neste momento. Isso pode acontecer nos próximos dias.

Vídeo

Veja aqui o momento difícil da travessia de um caminhão pela Ponte das Goiabeiras. Neste vídeo, o real perigo que os motoristas passam ao cruzar pela ponte diariamente. Uma vergonha que pode ter um fim muito em breve. É o que se espera!

—-

Carne é da Coopertropas: recomendo!

Você encontra no Supermercado Martendal, em Lages

Matriz de Risco: 15 regiões no nível moderado e duas no alto

A Matriz de Risco Potencial Regionalizado divulgada neste sábado, 8, aponta 15 regiões classificadas como risco potencial moderado (cor azul) e duas regiões no nível de risco alto (cor amarelo).

Em um comparativo com o relatório divulgado na semana anterior, houve piora na Região da Grande Florianópolis e na Região Carbonífera, que antes estavam em risco moderado e agora estão em alto risco. As Regiões Meio Oeste e Nordeste, porém, melhoraram nos indicadores.

Na dimensão de gravidade, que contempla os indicadores de mortalidade e tendência de internação por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), todas as Regiões da Saúde foram classificadas no alto risco, com exceção de Xanxerê. Diferente da matriz divulgada na semana passada, nenhuma região se encontra no nível grave.

Confira o documento completo da Matriz

Ministra vem a Santa Catarina devido à séria estiagem

A situação é séria. A estiagem causada pelo baixo volume de chuvas nas regiões Extremo Oeste, Oeste, Meio Oeste de Santa Catarina, e também a Serra Catarinense. A média atual de precipitações nesses locais é de, respectivamente, 20, 31 e 46 milímetros. Sendo que o esperado seria uma média em torno de 150 mm.

A estiagem é causada pelo baixo volume de chuvas nas regiões Extremo Oeste, Oeste e Meio Oeste de Santa Catarina.

Diante do problema, pelo menos três municípios já decretaram Situação de Emergência: Campos Novos, Chapecó e Urubici.

Assim, na próxima semana, a ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, e o governador Carlos Moisés estarão em Chapecó para encontro com prefeitos e lideranças do agronegócio catarinense.

A intenção é apresentar medidas de apoio aos produtores rurais atingidos pela estiagem. O evento está agendado para quarta-feira, 12, às 16h, no Centro de Cultura e Eventos Plínio Arlindo De Nes.