Estou gostando da iniciativa de alguns prefeitos da Serra

Prefeitos de municípios da Serra não estão se fazendo de rogados, e com ajuda de deputados da bancada catarinense têm se achegado pelos lados do Planalto, recebidos pelo próprio presidente Jair Bolsonaro.

Esta semana estiveram por lá os prefeitos de Bom Jardim da Serra, e mais recentemente, de Urupema.

E é isso que tem de fazer. Cumprindo agenda em Brasília em busca de recursos, o prefeito de Urupema Evandro Frigo Pereira e a vice, Cristiane Muniz Pagani Almeida aportaram no Palácio do Alvorada.

Ao Presidente e à bancada parlamentar governista também pediram para que agilizem a sanção do projeto de Lei que reconhece Urupema como “Capital Nacional do Frio”, já aprovado no Senado.

E bem assim que as coisas acontecem, indo em busca dos objetivos. E Brasília, nem é tão longe assim. Fico feliz em ver que os prefeitos da Serra estão bem mais ativos diante de seus objetivos. Nem todos, infelizmente.

Foto: Ascom Presidência da República

Livro de fotos revela a memória histórica da Amures

O final de tarde, início de noite, deste sábado, 22, reservou um momento especial ligado à cultura, junto ao Museu Malinverni Filho, com o lançamento do livro “Todas as Cores da Serra Catarinense”, de autoria da fotógrafa Denise Becker.

Denise Becker, Maria do Carmo Malinverni e Cristiane Belmonte

Na mesma ocasião, ocorreu a Exposição Restauro Filho, resultado de um trabalho de fomento da própria Denise, que decidiu captar recursos pela Lei Roanet, para restaurar seis obras de Maliverni, e que estavam deterioradas pela umidade.

A restauração foi feita por Luciano Boletig, do Paraná. Ele é especialista em artes plásticas, e conseguiu devolver a vivacidade das obras, que estiveram expostas durante o lançamento do livro.

Sobre o livro

Conforme Denise, a obra foi baseada na história da Serra Catarinense, através de uma pesquisa de pontos turísticos dos 18 municípios da Amures. Durante o trabalho, observava que os locais eram de destaque natural e que todos já apreciavam.

Assim, procurou dar atenção a outras formas mais simples, menos perceptíveis no dia a dia, porém, sem esquecer da memória através da arquitetura que não pode se perder.

Por fim, o livro resgata este tipo de imagens, acompanhado das poesias de Cristina Belmonte, que ajudaram a completar a obra, que dão mais sentido às fotografias, consideradas principais de cada município da Amures.

Fotos: Paulo Chagas