Live chama atenção para a importância da causa autista

Na noite desta quarta-feira, pelo meu Instagram, entrevistei a jovem Laryssa Smith, filha do candidato a deputado estadual Ozair Coelho, o Polaco (PSD), Ela é mãe de Pedro, uma criança autista de nove anos. É dela a iniciativa da criação do Projeto Pró Autismo, em Florianópolis e Lages.

A live teve também o objetivo de chamar atenção do meio político, àqueles que vivenciam o dia a dia com uma pessoa autista na família.

Larissa tem o entendimento é de que os políticos, não somente em época de campanha, façam uso da causa como mote propagandista, apenas. Por quase uma hora, explicitou o drama vivido pelas famílias que têm autistas em seu meio. “São tidas como pessoas invisíveis, sem a necessária atenção do Poder Público”, salientou.

Como sendo filha de um candidato a deputado estadual, o Polaco, o autismo é um problema que o político precisa tratar com mais sensibilidade.  É algo que o pai, também, vereador já vem fazendo.

Foi ele quem conseguiu através de emendas junto a parlamentares, recursos para a instalação em Lages do Projeto Pró Autismo, podendo assim, atender com total estrutura médica mais de 400 crianças e adolescentes, além das famílias.

“Se como vereador meu pai conseguiu isso, imaginem como deputado estadual. Estou certa de que poderá levar o projeto para muitos municípios de Santa Catarina, caso seja eleito”, concluiu.

Catarinenses indignados

A Assembleia Legislativa aprovou, nesta quarta-feira,25, moção ao presidente da República, Michel Temer, em que os deputados manifestam “indignação e contrariedade” ao baixo percentual de transferência de recursos da União para Santa Catarina.

A matéria foi proposta pelo deputado Gabriel Ribeiro, que levantou o assunto ao mostrar que o Estado vem sofrendo redução no retorno de impostos do Governo Federal apesar de ter aumentado o envio à União.

A razão da indignação

Gabriel cita a relação per capita no envio e no retorno de impostos ao Governo Central. No ano passado, cada catarinense recolheu para a União R$ 7.187,94 e recebeu de retorno R$ 1.340,02. No mesmo período, um paranaense recolheu R$ 5.625,72 e obteve o retorno de R$ 1.485,66, e um gaúcho arrecadou para a União R$ 6.033,23 e recebeu de retorno R$ 1.391,33. No total, Santa Catarina enviou para a União R$ 50,3 bilhões e obteve de retorno R$ 9,3 bilhões, conforme informação da Receita Federal.

Comparação

Comparando-se 2017 ao ano anterior, enquanto os vizinhos Paraná e Rio Grande do Sul praticamente mantiveram seus percentuais de retorno, SC teve um decréscimo de 20,5% para 18,64 do total enviado para a União.

Sul discriminado

O deputado Gabriel Ribeiro ressalta que, como o Brasil é uma Federação, é compreensível que os Estados em melhor posição socioeconômica auxiliem as unidades mais carentes. O que ele considera “uma discriminação com Santa Catarina”, é a redução percentual em relação a Estados em condições semelhantes à de SC, como o Rio Grande do Sul e o Paraná.

(Informações e foto: Tarcísio Poglia)