Em convenção, Jorginho Mello (PL), confirma candidatura

O Partido Liberal confirmou na noite desta sexta-feira (05), na Associação Catarinense de Medicina, em Florianópolis, Jorginho Mello como o candidato ao cargo de governador de Santa Catarina nas eleições de outubro.

O ponto alto da noite foi quando o presidente Bolsonaro, em vídeo, consagrou Jorginho Mello como o seu candidato em Santa Catarina.

Jorginho ressaltou que sua maior coligação é com o 22 e fez um manifesto para anunciar o que pretende fazer como governador do Estado. O evento foi bastante concorrido. Mais de 3 mil pessoas marcaram presença na ACM.

Vice

A vice Marilisa Boehm admitiu que só aceitou concorrer ao cargo porque estaria ao lado de Jorginho Mello. “Depois que eu o conheci, percebi que temos algo em comum: que é acreditar nas pessoas. E a nossa gente é a maior riqueza que Santa Catarina tem. E nós sabemos que o povo é que faz o governo, pois se povo está bem, o Estado vai bem”, disse.

Ao Senado

Já o candidato ao Senado, Jorge Seif, enfatizou o projeto para recolocar o Estado numa nova era. “É um grande momento para Santa Catarina, onde apresentamos opções para seguir reconstruindo o Brasil e para colocar nosso Estado nos trilhos certos. É uma honra concorrer ao Senado Federal ao lado de Jorginho Mello para o Governo do Estado, que foi eleito por duas vezes o melhor senador da República. Tenho certeza que temos um time que sairá vitorioso nestas eleições”, reforçou.

Fotos: Assessoria de Imprensa

Confira abaixo o que disse o presidente Jair Bolsonaro, em vídeo, sobre a candidatura de Jorginho Mello, ao governo de SC.

PL faz convenção nesta sexta

O Partido Liberal de Santa Catarina realiza nesta sexta-feira (5), a partir das 20 horas, na Associação Catarinense de Medicina (Rod. José Carlos Daux, 3854 – Bairro Saco Grande, Florianópolis), a sua convenção estadual.

O encontro vai homologar as candidaturas do partido a Governador, Vice-Governador, Senador, Deputados Federais e Estaduais para o pleito de 2022.

Jorginho marca presença na convenção de Bolsonaro

Candidato de Bolsonaro em Santa Catarina à disputa do governo do Estado, o senador Jorginho Mello marcou presença na convenção do PL, no Maracanãzinho, Rio de Janeiro.

O evento formalizou a candidatura do presidente Bolsonaro à reeleição. “Santa Catarina é 22.  Nós temos uma agenda comum, uma agenda de valores. E é uma agenda que precisa ser defendida acima de tudo”, afirmou.

Participaram do evento, que reuniu cerca de 12 mil pessoas, vários pré-candidatos do PL em SC, a exemplo de Jorge Seif, que deve disputar o Senado.

Em relação ao governo de Santa Catarina, Jorginho afirmou que Carlos Moisés peca na saúde, na infraestrutura, na qualificação da mão de obra e dá as costas para o micro e pequeno empreendedor, que representam 99% da economia do Estado.

Dona Ivete Silveira no Senado?

Durante um encontro casual, nesta semana, com um dos expoentes da política catarinense, Francisco Kuster, e que, beirando aos 80 anos, carrega sobre os ombros uma grande história.

Homens como Kuster precisam ser ouvidos. Disse-me que o governador Carlos Moisés não será reeleito, caso queira contar com o MDB. E explicou-me o que poucos estão lembrando.

Na eleição passada, o agora pré-candidato ao Governo, Jorginho Mello (PL), estava fechado com o MDB, e foi eleito Senador a partir dessa aliança.

O “fantasma” de Luiz Henrique e a presença viva de dona Ivete ao Senado, “assombram” Carlos Moisés.

Além disso, a brusquense Ivete Appel da Silveira, viúva do ex-governador Luiz Henrique da Silveira, esteve engajada na campanha das candidaturas de Mauro Mariani ao governo do estado e de Jorginho Mello ao Senado.

Pois bem. Poucos lembram. Mas dona Ivete é a primeira suplente de Jorginho Mello ao Senado. E o que isso quer dizer? Simples. Basta dizer que uma grande parte do MDB poderá estar ao lado da dona Ivete, e de Jorginho Mello.

Caso Jorginho se eleja governador, o MDB herda o Senado por quatro anos. Eis aí um trunfo que Jorginho Mello carrega, e pouco expõe. Assim como Jorginho se aliou a MDB no pleito passado, não é impossível o MDB se aliar a ele agora. E se isso acontecer, Moisés nada mais pode fazer, e compromete por completo a reeleição.

Política por Santa Catarina

A política em Santa Catarina segue basicamente sem grandes definições, embora a maioria dos postulantes ao cargo de governador já tenham exposto suas faces. Exceção apenas, a composição entre os nomes ligados ao União Brasil, com o ex-prefeito de Florianópolis, Gean Loureiro e Eron Giordani, PSD, com Raimundo Colombo, ao Senado.

As demais siglas ainda não encontraram as parcerias certas, e mantêm as negociações. Entre elas, a curiosa indefinição que pesa entre o governador Carlos Moisés e o possível vice. Uma briga que promete. Agora, Antídio Lunelli, descartado da possibilidade de ser o vice de Moisés, volta à condição de pré-candidato e o MDB irá se arrastar a um desfecho inesperado, por muitos. Além disso, neste mesmo grupo, há briga interna para que seja apontado um nome para concorrer ao Senado. Também indefinidas as composições do PT, do PL, ou do PP.

Deputada federal Carla Zambelli elogia Jorginho Mello

A deputada federal por São Paulo, Carla Zambelli (PL), esteve nesta sexta-feira (10) em Florianópolis onde participou do Encontro Catarinense da Frente Pela Lealdade, em apoio ao presidente Jair Bolsonaro (PL). A noite foi promovida pela vice-governadora do estado é pré-candidato a deputada federal Daniela Reinert (PL).

Durante a fala, a deputada paulista fez duras críticas ao atual governador de Santa Catarina, Carlos Moisés (REPUBLICANOS) e o chamou de “traidor”. Além disso, Zambelli apontou apoio à candidatura do senador Jorginho Mello.

Segundo ela, esteve em SC em 2018, fazendo campanha para Dani (vice-governadora) e para outra pessoa que eu nem quero repetir o nome, mas agora Santa Catarina tem a oportunidade de ser bem representada por Jorginho Mello. “Ele é o melhor para Santa Catarina”.

O evento reuniu lideranças de todas as regiões do estado e vários pré-candidatos a deputados federais e estaduais, além do pré-candidato ao senado, Jorge Seif.

(Informações e fotos: Assessoria de Imprensa)

Política com rumos incertos

É mais ou menos assim que está a política catarinense envolvendo, especialmente os caciques que postulam a cadeira do governo. Não se entendem. Poucos arriscam a dizer o rumo que estão seguindo, a exemplo do PSD que decidiu apoiar o nome de Gean Loureiro (União Brasil), e deixar a prateleira de cima, para ser coadjuvante.

Quanto aos demais, enrolação por completo para definir quem vai ou fica com quem. Pobre MDB, que outrora era o maior; detinha poder. Bastava, sussurrar. Hoje grita agoniado e ninguém parece ouvir.

Jorginho Mello (PL), tenho a impressão que pretende ser candidato sozinho e com o amparo apenas da imagem do presidente Bolsonaro. Nem por um momento citou com quem pode fechar para indicar o vice. E assim, vai.

Penso que nossos políticos estão debruçados num tempo que cada vez está menor. Azar deles. Quanto mais demoram, menos o povo eleitor se interessa.

Agora é oficial: Presidente Jair Bolsonaro assina ficha ao PL

O presidente da República, Jair Bolsonaro (PL), se filiou nesta terça-feira (30) ao Partido Liberal (PL), em evento realizado em Brasília (DF).

Bolsonaro estava sem partido há cerca de dois anos, desde que deixou o PSL, legenda pela qual se elegeu em 2018, e o evento contou também com a presença do presidente da sigla, Valdemar Costa Neto, e dos integrantes do governo federal.

Bolsonaro foi eleito presidente pelo PSL e deixou o partido em 2019, após divergências com a cúpula da legenda. Na ocasião, chegou a articular a criação de um novo partido, a Aliança Pelo Brasil, que não passou da fase de coleta de assinatura.

O PL é agora o nono partido da carreira política de Bolsonaro. Em três décadas, ele passou pelo PDC, PPR, PPB, PTB, PFL, PP, PSC e PSL.

Bolsonaro comentou que não foi fácil optar pelo PL, tendo em vista propostas para entrar em outros partidos com o quais também sente afinidade.

Oficialmente, a pré-candidatura de Jair Bolsonaro também não foi lançada. Ele fez questão de ressaltar que o evento desta terça era exclusivamente um ato de filiação.

Crédito fotos: Assessoria do Partido Liberal