Pesquisa dá novo cenário para o Governo em Santa Catarina

Tenho contestado a formatação de algumas pesquisas ao governo e senado, em Santa Catarina. Algumas delas apresentam candidatos isolados estratosfericamente acima; outras com números bem abaixo. Confundem o eleitor.

Mauricio Vieira/Secom/Waldemir Barreto/Ag. Senado

Dentro de uma visão mais real, o levantamento do Instituto de Pesquisas Cananéia – IpeC (ex-Ibope) divulgado nesta terça-feira, 20, em Santa Catarina, pela NSC mostra Jorginho Mello (PL) e Carlos Moisés (Republicanos) empatados com 20%.

Pouco atrás, e com boas chances de segundo turno, estão Esperidião Amin (Progressistas) com 15% e Gean Loureiro (UB), com 14%. Décio Lima (PT), cresceu um pouco em relação à pesquisa anterior, e soma 10%.

Como se vê, esta talvez, pode estar mais próxima da realidade. Porém, a desfiguração das mais variadas pesquisas, me deixa um tanto descrente. Enfim, o cenário está posto.

A pesquisa ouviu 800 pessoas entre os dias 17 e 19 de setembro. A margem de erro é de três pontos percentuais para mais ou para menos, considerando um nível de confiança de 95%. Está registrada no Tribunal Regional Eleitoral do Santa Catarina sob o número SC‐07903/2022 e no Tribunal Superior Eleitoral sob o número BR‐07730/2022.

 Colombo segue liderando para o Senado

Seguindo os mesmos condicionantes do registro e margem de erro, apontados acima, os índices ao Senado seguem dando vantagem ao ex-governador Raimundo Colombo (PSD), com 26% das intenções de voto.

Logo abaixo, com 13%, aparece Dário Berger (PSB), e em terceiro, Jorge Seif (PL), com 9%. Este ano, os eleitores do estado elegem apenas um senador.

Pela pesquisa, a visão demonstra que o eleitor está optando mais pela experiência dos candidatos, e pelo histórico na política dentro do Estado. Isto também é fato. E é algo que realmente pode fazer a diferença no parlamento, diante do conturbado cenário político nacional.

E agora deputados?

A volta do recesso na Câmara dos Deputados deverá estar bastante tensa nesta segunda-feira (31), tudo por conta da votação da denúncia da Procuradoria Geral da República contra o presidente Michel Temer.

Entre os catarinenses, indecisos e já definidos pelo prosseguimento do processo. Pelo que consta, sete serão a favor: Esperidião Amin (PP), Carmen Zanotto (PPS), Décio Lima (PT), Pedro Uczai (PT) Jorge Boeira (PP), Geovania de Sá (PSDB), e Jorginho Mello (PR).

Três do PMDB são contra, e ainda não se sabe como vota o deputado Mauro Mariane (PMDB), que estaria indeciso.