Cervejaria Ambev promove evento da colheita do lúpulo

Lages já desponta como sendo um dos grandes produtores de lúpulo no Estado. E nesta quarta-feira (13), às 16h, a Cervejaria Ambev, promove a abertura da safra. O evento tem apoio da Epagri, UDESC, governo de SC e prefeitura de Lages. Na ocasião, o presidente da Epagri, Giovani Canola, estará presente.

O fomento da cultura faz parte de um projeto nacional, por meio de pesquisas e extensão, visando desenvolver a produção de lúpulo irrigado no Estado. Estudo apresentado em fevereiro aponta que ele tem possibilidade de cultivo em todas as regiões do Estado com riscos baixos a moderados.

Outra pesquisa, financiada pela Fapesc, verifica a adaptação de variedades de lúpulo em São Joaquim e Lages, a influência de diferentes sistemas de condução na intensidade de doenças e pragas, reação das variedades aos patógenos, controle das doenças, elaboração de cervejas e análise sensorial com as variedades de lúpulo eavaliação da qualidade dos cones de lúpulo.

Colheita

Neste ano, o Estado já colheu 10 toneladas do produto. Segundo a Aprolúpulo, atualmente 20 propriedades rurais no estado cultivam o lúpulo em uma área de cerca de 20 hectares.  Santa Catarina é o estado que tem maior percentual de produtores: 27%. A planta é uma trepadeira da família Cannabaceae que gosta de frio, por isso, encontrou condições favoráveis de cultivo no Planalto Serrano de Santa Catarina.

Fotos: divulgação

Balanço da diretoria da Epagri não contempla Estação de Painel

Observando o balanço apresentado pela diretoria da Epagri, numa mostra do que foi realizado na gestão da presidência, Edilene Steinwandter, os itens impressionam. No geral, realmente fez um bom trabalho na Empresa, com investimentos e todas as áreas.

Recursos em tecnologia foram os mais notabilizados visando aparelhar a estrutura. Acredito sim, que a agricultura teve a atenção desejada com a distribuição de equipamentos e a parceria dos técnicos.

No balanço, apresentado por Edilene Steinwandter, a readequação da estrutura e cancelamentos de contratos que propiciaram economia.

Chego ao campo da extensão. O trabalho de extensão rural e pesqueira desenvolvido pela Epagri objetiva levar a agricultores e pescadores o conhecimento gerado pela Empresa, a fim de promover o desenvolvimento sustentável destes setores da economia. Para tanto, a Epagri realizou entre 2019 e março de 2022 um total de 346.182 atendimentos a famílias agricultoras e pescadoras do Estado.

No entanto

A mesma atenção não foi dispensada aos pescadores da Serra. Centenas deles acolheram a ideia da criação de peixes, caso da truta ou tilápia, visando incrementar as suas rendas familiares. Investiram em tanques, acreditando que teriam sustentação do Governo, não apenas de si.

A gestão do atual governo está chegando ao fim, e nada foi feito desde que o Estado, através da Epagri, assumiu o controle da velha Estação de Piscicultura, também conhecida como Base Avançada de Painel (BAP), depois da transferência do Ibama. Isso aconteceu em agosto de 2017.

Era só o que os pescadores ou truticultores da Serra queriam. Ver a velha Estação cumprindo com o propósito de torná-la um centro avançado de reprodução de alevinos com genética diferenciada de truta. Mas, este projeto, não foi prioridade da Epagri. Os anos foram passando, e somente a esperança seguiu viva.

No começo, foi dada a missão a um responsável pelo local, que seguiu do jeito que pode justificando a demora dos investimentos. Logo no segundo ano do Governo, um relatório sobre as necessidades para pôr em funcionamento o local, foi redigido pelo responsável pela Estação Experimental da Epagri, Vilmar Francisco Zardo.

Na época, o Blog, em contato com a diretoria da Epagri, a resposta é de que as providências estavam sendo tomadas.

Hoje, já não sei mais o que ainda existe por lá. Por certo o local está abandonado. Por um tempo, ainda havia a manutenção de algumas espécies como carpa, jundiá e truta, apenas para manter o mínimo funcionamento, mas sem nenhuma finalidade ou projeto.

Investimentos

Com a farta distribuição de recursos, o Estado bem que poderia ter dispensado algum, dado aos criadores de peixes da Serra, a chance de ter um local aparelhado para a pesquisa e a produção dos tão almejados alevinos de truta.

Rede elétrica

Para que tudo funcionasse, o diagnóstico inicial era de que, seria necessário levar em consideração uma escala de prioridades. Pois, não seria possível colocar qualquer coisa tecnicamente viável no local se não fosse feita, primeiramente, a reforma da rede elétrica.

Alguém ainda lembrou que havia um processo licitatório montado, incluindo o projeto, e que até hoje está em alguma gaveta da direção da Epagri. Isso desde setembro de 2019 aguardando a deliberação. A não ser que tudo esteja de acordo, mas sem que ninguém saiba.

Pressão

Os truticultores, através da Associação (Acatruta) pressionaram, sem, até hoje, entender a razão do desinteresse em pôr em funcionamento uma estrutura que está pronta, apenas necessitando de alguns investimentos. Ainda há tempo. Caso o Governo tenha interesse.

Fotos: Paulo Chagas e Aires Mariga/Epagri

Estiagem: cerca de R$ 3,7 bi de prejuízo nas lavouras de SC

O prejuízo com a estiagem que atinge Santa Catarina desde o ano passado é superior a R$ 3,7 bilhões à agricultura do Estado.

Milho, soja e feijão são as culturas mais prejudicadas pela falta de chuva / (foto: Antonio Carlos Mafalda)

O valor representa o somatório das perdas verificadas até o momento nas lavouras catarinense de milho (grão e silagem), soja e feijão, primeira safra.

Os dados são da Epagri/Cepa, que faz a avaliação econômica das principais cadeias produtivas do agronegócio catarinense, a fim de oferecer informações para elaboração de políticas públicas e para balizar a tomada de decisão.

Em termos econômicos, a cultura agrícola mais atingida até o momento é a soja primeira safra, que já soma prejuízos de aproximadamente R$ 1.576 milhões. Ou seja, 21,6% da safra está comprometida, o que significa 552 mil toneladas a menos na colheita.

Produtores de Campo Belo investem no plantio de lúpulo

O propósito é o de diversificar a produção e garantir mais renda na propriedade. Para tanto, conta com o apoio da Cervejaria Ambev, da Secretaria Municipal da Agricultura e Epagri. Como se sabe, o lúpulo é a matéria prima para fabricação de cerveja e derivados.

Diante da nova perspectiva, agricultores da localidade Barra do Imigrante já estão preparando o local e plantando as mudas da cultura, e, em breve já estarão produzindo. O produtor rural Lucas Rigotto e a família dele iniciaram os testes.

Por outro lado, produtores rurais que queiram participar do projeto devem entrar em contato com a Epagri para mais detalhes, junto ao prédio da prefeitura próximo ao setor da Secretaria da Agricultura.

Epagri de Lages antecipa comemoração dos 30 anos

Oficialmente a Epagri aniversaria no dia 20 de novembro. Porém, nesta quinta-feira (11), durante evento, antecipou as comemorações.

O vereador e presidente da Câmara, Gerson Omar dos Santos foi um dos homenageados. Segundo disse, sente muito orgulho em fazer parte desses 30 anos de história e trabalho pelo povo catarinense.

A Epagri tem uma estrutura distribuída por todas as regiões do estado e conta com profissionais que trabalham para apoiar o desenvolvimento sustentável das cadeias agrícolas de cada região, valorizando as vocações do povo catarinense.

Por fim, em nome da presidente Edilene Steinwandter parabenizou todos os que fazem parte da Epagri. “Tenho muito orgulho em pertencer”, ressaltou Gerson.

(Informações e foto: Débora Bombílio)

Cidades da Serra amanhecem cobertas de gelo

As temperaturas despencaram no amanhecer desta quarta-feira (19), na Serra Catarinense. A estação meteorológica da Epagri registrou -4.33°C, em Urupema.

Os campos ficaram cobertos pela brancura da geada. O frio foi realmente intenso, em cidades como Bom Jardim da Serra, Urupema e São Joaquim.

Na Villa Francioni, o amanhecer gelado não foi diferente. Tudo branquinho. Na ocasião a temperatura, por volta das 7h, estava em 2 °C.

Fotos: Sérgio Felipe Rodrigues e Wagner Urbano

Truticultores da Serra esquecidos pelo Governo e Epagri

A transferência da Estação de Piscicultura de Painel, pertencente ao Ibama foi motivo de comemoração na Região, ainda no governo de Raimundo Colombo. Desde então passou a se chamar Campo Experimental de Piscicultura da Serra Catarinense.

No entanto, mais de três anos se passaram e nada avançou, mesmo com a promessa da presidente da Epagri, Edilene Steinwandter, e do responsável pelo local, o pesquisador da Estação Experimental da Epagri em Lages, Vilmar Francisco Zardo, de que em breve a piscicultura serrana teria um novo espaço para a expansão.

A Acatruta tem pressionado, mas, sem nenhuma resposta. Enquanto isso, os produtores seguem esperando por uma solução, e que algo possa ser feito para que possam melhorar a genética e a sanidade dos peixes. “A velha estação é o local certo para isso”, argumentam.

Difícil entender a razão para tanto descaso. O espaço tem toda uma estrutura montada, precisando apenas de algumas adaptações, e mesmo assim, a Epagri, através da direção, não toma nenhuma atitude, e desconsidera por completo o apelo dos produtores, de truta, embora também possam ser cultivadas outras espécies nativas.

Indústria

Em Lages funciona um indústria de processamento de truta, e que precisa da matéria-prima para continuar. Os produtores seguem trabalhando para manter a demanda. Porém, precisam urgentemente, da pesquisa para ampliar a genética e oferecer produtos cada vez com maior qualidade. Nada disso, parece importar na visão do Governo.

Foto: Paulo Chagas

Estiagem segue preocupando SC

O Estado está vivendo a estiagem, mais crítica nos dois últimos meses, principalmente, no Oeste, Planalto Norte e Vale do Itajaí. Os dados apontam que dentre os 295 municípios catarinenses, 160 estão em estado de normalidade; 88 em atenção; 23 em alerta; e 10 em estado crítico frente à estiagem.

Outros 14 municípios ainda não encaminharam informações sobre a atualização de sua situação. Lages e boa parte da Serra, vivem em situação de normalidade.

Foto: Aires Mariga / Epagri