Ameaça à exportação de frango

O setor do agronegócio este em polvorosa com a decisão da Arábia Saudita em desabilitar mais de 30 frigoríficos brasileiros, que exportam frangos para aquele país, com impacto maior sobre cinco unidades, entre elas a JBS e a BRF.

Há quem diga por todas as letras que é o primeiro aviso, só pela possibilidade de a embaixada brasileira em Israel sair de Tel Aviv para Jerusalém, a exemplo do que fez os Estados Unidos.

Aqui no Estado, lideranças da Federação da Agricultura do Estado de Santa Catarina (FAESC), já estão se mobilizando de todas as formas, uma vez que, dessas cinco empresas, duas são de Santa Catarina. O mercado está assustado, só com a possibilidade da transferência da embaixada, o que poderá acarretar sérios prejuízos ao Estado e ao País, podendo haver o rompimento com os maiores importadores de carne de frango do Brasil.

As ações incluem um alerta ao governador Carlos Moisés da Silva, do mesmo partido do Presidente da República, para que interaja com muita força, a partir da gravidade do problema, antes que o mal maior aconteça. Pois, os embargos iniciais dão clara ideia do começo da retaliação à carne brasileira. E, Santa Catarina, maior exportador será o mais prejudicado. Moisés precisa mostrar força junto ao Governo Federal, diante da atual realidade, e já.

Termina a temporada de leilões

Compradores e vendedores de gado acompanharam na tarde deste sábado (24), à tarde, no Parque Conta Dinheiro, as últimas batidas do martelo do leiloeiro Delamar Macedo, deste ano.

Resumidamente, o expressivo valor de R$ 13,5 milhões alcançado somente em feiras de arremates promovidas pelo Sindicato e Associação Rural de Lages, demonstra a tamanha importância do agronegócio lageano.

Embora os preços médios/quilo, especialmente dos bois e das novilhas, de R$ 5,79, e R$ 5,48, outra expressividade foi alcançada na comercialização de todos os animais, de mais de R$ 1 milhão.

Detalhe também, da presença de compradores de regiões distantes, como as de Joinville e Tubarão, além do Meio Oeste.

Conforme bem disse o presidente do Sindicato e da Associação Rural de Lages, Márcio Pamplona, a qualidade dos animais aqui vendidos torna-se atrativa para gente de todo o Estado.

Outro fator significativo e que merece registro, é o incremento no número de animais de um ano para outro. Em 2018, foram dois mil a mais do que em 2017.

Por isso, a expectativa para 2019 é grande. Os preços têm se mantido estabilizados, porém, mesmo assim, os produtores seguem seus investimentos em estrutura e genética, e, o resultado da qualidade aparece exatamente na pista de arremates, lugar onde o martelo do leiloeiro Delamar, soa por horas em um único dia sob a tutela da Camargo Agronegócios.

O gigantismo da Expolages

Num período complexo, em razão da campanha política e que impede o repasse de recursos de parte do Governo do Estado, a Expolages 2018 se superou. A justificativa, segundo o presidente da Associação Rural, Márcio Pamplona, foi graças ao esforço e o engajamento dos expositores.

A Feira acabou se agigantando, com aumento no número de animais e de expositores do comércio e da indústria. O Parque Conta Dinheiro serviu de palco para a concretização de grandes negócios.

A prospecção futura é de um movimento superior a R$ 20 milhões. Só no agronegócio foram mais de R$ 2,3 milhões.

Todos estão de parabéns. A Expolages se consolida a cada ano com sendo o principal evento envolvendo a economia do município. Que venha 2019.

Leilões da Expolages serão transmitidos pela Internet

Todos os leilões que vão acontecer na Expolages 2018, terão transmissão ao vivo, pelo Lance Rural, permitindo online a facilidade de negócios tanto para quem compra, quanto para quem quer vender seus animais.

O sistema conta com a experiência oriunda do Canal Rural, e utiliza uma plataforma multimídia de comunicação especializada em agronegócio no Brasil. A transmissão será feita sem limitação de espaço físico ou de tempo, como é no modelo de televisão.

A empresa já esteve em Lages, quando foi responsável pelas transmissões dos eventos de maio, no Parque Conta Dinheiro.

O primeiro leilão a ser transmitido é o da novilha e do gado geral, previsto para a sexta-feira (12). O Lance Rural tem transmitido todos os principais leilões realizados no Brasil, via internet.

A Expolages 2018 acontece de 9 a 14 de outubro.

Fotos ilustrativas: Paulo Chagas

Leilão de animais jovens

O número de animais inscritos para a segunda etapa da Feira do Terneiro e da Terneira se manteve na mesma média da primeira etapa, ou seja, em torno de 1,1 mil, entre machos e fêmeas.O evento deste sábado, 13, a partir das 14 horas, fecha o período inicial de comercialização de animais jovens, no Parque Conta Dinheiro, em Lages.

Mais uma vez, há expectativa em torno dos negócios, pois, estão confirmados compradores de todo o Estado.Para este sábado, os compradores poderão novamente contar com linhas de crédito diferenciadas oferecidas por quatro agências bancárias: o Banco do Brasil, Sicoob, Sicredi e Santander. Para a obtenção do crédito, os interessados deverão estar com os cadastros atualizados.

Avanço à bovinocultura de corte de SC

A Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Santa Catarina (FAESC) e o Sebrae/SC promoverão nesta sexta-feira, dia 12, no Parque de Exposições Conta Dinheiro, em Lages, o Seminário Estadual de Lançamento do Programa Desenvolvimento da Bovinocultura de Corte Catarinense.

A programação será coordenada pelo presidente da FAESC José Zeferino Pedrozo, iniciará às 10 horas da manhã e terá a presença do governador João Raimundo Colombo (foto), lideranças do agronegócio e cerca de 700 produtores rurais.

Programa

O ponto alto da programação será o lançamento do avançado programa de Assistência Técnica e Gerencial (ATeG) em pecuária de corte sob os auspícios do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (SENAR/SC) e do Serviço Brasileiro de Apoio a Micro e Pequena Empresa (SEBRAE/SC).

A programação iniciará com manifestações de autoridades. Na sequência, o economista da FARSUL Antônio da Luz explanará sobre “Análise e perspectiva para o mercado da carne bovina”.

O evento continua na parte da tarde, a partir das 13h30, a palestra “Genética x ambiente = produto e produtividade” será ministrada pelo professor da UFRGS José Fernando Piva Lobato.

SC busca a recuperação do mercado de carnes

O esforço nesse sentido é grande. Para tanto, o vice-governador Eduardo Pinho Moreira se reuniu na manhã desta segunda-feira, 3, no Palácio do Planalto, em Brasília, com o presidente da República, Michel Temer.

O encontro debateu a recuperação do mercado de carnes no país, que hoje enfrenta, conforme o vice-governador, queda de receita, fechamento de plantas industriais, reduções de turnos e suspensão de investimentos.

Presentes também na reunião, os chefes de estado de Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Paraná solicitaram ao presidente Temer apoio para aprovação na Câmara dos Deputados até o mês de maio da lei que permite a participação dos fundos de pensão na administração das empresas.

O texto já passou pelo Senado Federal. “Apenas em Santa Catarina são 100 mil empregos diretos nos frigoríficos e mais 18 mil famílias integradas. Estamos falando de mais de 150 mil pessoas ligadas a esta atividade econômica”, finalizou Pinho Moreira.

Primeiro leilão de animais no Conta Dinheiro

O Parque Conta Dinheiro, em Lages, abre no próximo sábado, 1/04, o ciclo de negócios na temporada 2017, com  aproximadamente 200 animais.

Embora seja um evento considerado pequeno, ele servirá como balizamento para entender o comportamento do mercado atual.

Além disso, uma excelente oportunidade para bons negócios, especialmente para confinadores que poderão aproveitar a baixa dos preços dos insumos, ainda mais que o mercado bovino da região não foi atingido pela operação “Carne Fraca”.

O presidente da Associação Rural, Márcio Pamplona, ao se referir à operação, disse que os efeitos das ações foram maléficos e negativos, especialmente para o setor de exportação, e que prejudicaram diretamente os produtores com a paralisação de abates, e também funcionários que acabaram sendo demitidos. A ação acabou criminalizando todo o setor de carnes.

Mas, na Serra Catarinense, a situação é outra. Para ele, o mercado bovino não foi atingido fortemente, embora tenha levado o consumidor a restringir as carnes embaladas vindas de fora. A compra passou a ser direta no balcão, com a carne cortada na hora, e com a garantia de qualidade e credibilidade.