Tag: PMDB (Página 1 de 34)

Política e o campo das hipóteses

Como não há definição oficial e nada ainda absolutamente certo sobre os acontecimentos políticos em SC, para 2018, a fertilidade do campo das hipóteses predomina. Porém, vejamos.

Raimundo e Pinho: os protagonistas para um papel decisivo em 2018

Não se sabe ainda qual vai ser a postura a ser adotada pelo governador Raimundo Colombo. Se fica ou sai do governo em 2018, para se dedicar ao projeto rumo ao Senado. E, se sair, quando o  fará?

Nesse entremeio surge a possibilidade de o vice, Eduardo Pinho Morera também deixar o governo e partir para um projeto diferente, como o de concorrer à Câmara dos Deputados.

Diante desse fato, seria algo realmente muito diferenciado no processo. Nos primeiros 30 dias assumiria o presidente da Alesc, e depois teria uma nova eleição para o mandato tampão.

Deputado estadual Gelson Merisio (PSD), no centro das indefinições

Já se ventilou esta hipótese, inclusive, abrindo a possibilidade de o deputado Gelson Merisio ser o Governador em 2018, e então definir as demais costuras. Até mesmo a da manutenção da aliança entre o PMDB e o PSD, que ainda parece não estar descartada.

No entanto, não imagino Pinho Moreira não assumindo o Governo. O PMDB não perderia por nada a oportunidade de ter a máquina nas mãos justamente no período fértil que antecede as eleições.

Por outro lado, articulações aproximaram o PSD do PP, mais o PSB e o PDT, entre outros partidos menores. Um caminho aparentemente mais seguro para quem quer chegar ao governo em 2018, uma vez que, o PMDB catarinense carrega a sina umbilical ligada à esfera federal, em que está o mais indesejável dos presidentes, Michel Temer, embora tente dissociar-se.

Senador Paulo Bauer (PSDB): pré-candidato ao governo

Não dá para se esquecer dos tucanos que sempre foram a “cereja” do bolo, mas que pretende ser o bolo inteiro sem fatiar, novamente no pleito que se avizinha. No entanto, sozinho não terá tanto fôlego assim. Pode casar com o PMDB. Porém, ambos querem ser cabeça de Chapa.

Como se vê, ainda há muito que ser pensado e definido. De nossa parte, também vamos vagando nas possibilidades, exatamente aonde o campo das hipóteses nos leva diante do atual cenário.

Nem mesmo o PSD que parecia estar ajustado com Merisio. Pois, surge um João para criar nova possibilidade e agitar os bastidores dessa nebulosa política catarinense. Tudo pode, nesse princípio de (in) definições.

Coruja ainda não definiu o futuro político

O médico e deputado estadual Fernando Coruja (PMDB), ainda não definiu qual será o caminho que deverá seguir politicamente.

Embora não esteja tão entusiasmado em disputar uma nova eleição para a Assembleia, deixou no ar que poderá enfrentar o pleito de 2018. Caso decida, a preferência é dele, como candidato natural pelo PMDB, na Região.

Descarta qualquer possibilidade de se candidatar a deputado federal, para não concorrer contra Carmen Zanotto (PPS). Segundo ele, a deputada está fazendo um belo trabalho e merece ser reeleita.

O trabalho de parlamentar tem, de certa forma, atrapalhado o exercício da profissão como médico, algo que ele não deixa de lado. Essa é uma das razões que está fazendo com que ele repense a ideia de seguir na vida política.

Por outro lado, questionei sobre o relacionamento com o governador Raimundo Colombo. Segundo ele não há inimizade, mas que optou em exercer a oposição por não concordar com a sistemática do governo. Conforme ele, ambos mantêm diálogo.

Toni irá assumir gabinete de Coruja em Lages

O deputado estadual Fernando Coruja vai nomear Antonio Arcanjo Duarte – Toni Duarte, o chefe do gabinete de Lages.

Toni diz que se sente orgulhoso pelo convite e ao mesmo tempo consciente do desafio de trabalhar com um dos melhores parlamentares deste País.

Para Toni, o fato de estar filiado ao PPS não vai dificultar sua atuação “pois o nosso compromisso vai além da ideologia política e também não influenciará na minha fidelidade e nos propósitos da nossa líder do Partido, deputada Carmen Zanotto”.

Não deixa, obviamente, de ser um aceno para estreitar a aproximação entre os partidos, PPS e PMDB, em Lages.

PSD se divide entre pré-candidatos ao Governo

A queda de braço na política catarinense, especialmente no PSD, segue traçando rumos inesperados para 2018.

De um lado, o deputado federal João Rodrigues apregoa a unidade do partido, mas defende que o nome do candidato ao Governo da sigla seja definido pela  base, ouvindo prefeitos, vices e vereadores do PSD.

Em recente encontro em Florianópolis, disse ter recebido o apoio de mais 40 prefeitos, entre outras lideranças.

Por outro lado, o deputado estadual Gelson Merisio segue costurando apoio. O PDT, de Manuel Dias está em fase de inclusão, ao lado dos já definidos o PP e o PSB. Merisio tem dito que não irá disputar outro cargo, a não ser o de governador.

Enquanto isso, lideranças como a do deputado Esperidião Amin (PP), tem sido solidárias a Merísio. O ex-governador é contra qualquer possibilidade de se aliar ao PMDB. Algo que pode ocorrer com João Rodrigues, que pode se tornar um vice de Mariane ou Udo Döller.

Aliás, a aliança com o PMDB ainda não está encerrada. O próprio governador Raimundo Colombo não determinou o rompimento, mediante ao projeto de chegar ao Senado, e nem ainda definiu o seu futuro de permanência ou não na Casa da Agronômica, no ano que vem.

Tudo pode acontecer. Até mesmo de ele optar em seguir no Governo até o fim do mandato. Caso desincompatibilize, no mais tardar em abril, e com os encaminhamentos do PSD definidos, haverá ou não desembarque do PSD dos escalões do Governo.

(Foto: divulgação)

Ada de Luca sob investigação

Nesta última sexta-feira (24) mandados de busca e apreensão foram cumpridos pela Polícia Federal em Florianópolis, Criciúma, Içara e Morro Grande. A Operação República Velha investiga lideranças ligadas ao mandato da secretária de Estado de Justiça e Cidadania, Ada de Luca, que são suspeitos de falsa prestação de contas, corrupção e formação de quadrilha na eleição de deputado estadual em 2014.

O governador Raimundo Colombo (PSD) disse que conversou com Ada e, que está buscando mais informações dando apoio as investigações. Ele negou que tenha havido qualquer pedido de afastamento da secretária que é deputada estadual licenciada pelo PMDB. (Fonte: SC Em Pauta – Marcelo Lula)

Mudança no PSD

Com a desfiliação do PSD de José Nei Ascari, que sai da Assembleia Legislativa para assumir uma vaga no Tribunal de Contas (TCE-SC), vai gerar mudanças não só no Legislativo estadual, mas também na própria organização do partido.

Por outro lado, o deputado Milton Hobus, ex-prefeito de Rio do Sul e liderança do Alto Vale, assume a vaga de secretário-geral do PSD-SC. É conhecido o excelente relacionamento de Hobus com o governador Raimundo Colombo.

E mais:  mudanças estão por vir no PSD catarinense. Afinal, o ex-deputado estadual e agora ex-conselheiro do TCE-SC Julio Garcia volta ao cenário político-eleitoral.

Diante da saída de José Nei Ascari, o deputado estadual de Lages, Fernando Coruja (PMDB), passa de suplente a titular.

PMDB irá eleger diretórios

Os partidários do PMDB vão eleger neste final de semana, sábado e domingo (21 e 22) os respectivos diretórios, comissões de ética e disciplina, além dos delegados, durante convenção estadual.

Alguns municípios, como Jaraguá do Sul e Itajaí, por questões locais, já realizaram suas convenções.

Em Lages, a eleição acontece no sábado, 21, das 9h15 às 15h16, na sede do Partido, na rua Porto União, 115.

PMDB SC e a meia dúzia de pilantras em Brasília

O PMDB de Santa Catarina tenta se separar dos acontecimentos que envolvem a cúpula do Partido, em Brasília. O deputado federal Mauro Mariani, inclusive, defende a renúncia da Executiva Nacional.

O manifesto foi durante evento do “15 em Movimento”, realizado na noite de segunda-feira (2/10), na Assembleia Legislativa, em Florianópolis.

Afirmam que não podem aceitar que meia dúzia de pilantras envergonhe o partido nacionalmente.

Fotos: Simone Sartori

Página 1 de 34

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén