A Prefeitura, através da Fundação Cultural, formatou proposta aos carnavalescos de rua, para 2018, oferecendo a logística para a realização. Menos dinheiro.

Superintendente da Fundação, Giba Ronconi e o representante das escolas, o amigo Luiz

De qualquer forma a estrutura, que não é pouca, ou seja, sistema de som, arquibancadas, banheiros químicos, segurança, divulgação e tudo o que envolva a parte estrutural para os desfiles do Carnaval 2018. Isso tudo, se fosse pagar, imagine.

Seja como for, eu estou otimista que a Festa do Rei Momo possa voltar no ano que vem. Os representantes da Liga das Escolas de Samba decidirão até esta sexta-feira, dia 22, se participarão ou não do Carnaval 2018, mediante a oferta da Prefa.

De parte da Prefeitura, o fato de não envolver recursos se deve às questões legais. Não há tempo hábil para que todas as entidades se credenciem e atendam o requisitos na forma da lei.

Foto: Fabrício Furtado